No post anterior, falei a respeito da construção básica da Startup, aqui estarei aprofundando sobre o que podemos utilizar em nosso produto.

Dúvidas

Antes de começar a pensar em estratégia, você precisa entender a maturidade do seu produto, ele já tem cliente? É aberto? É fechado? Tem limite de uso gratuitamente (trial)?

Dessa forma podemos criar um perfil inicial e mesmo que possa mudar no futuro, agora é essencial sermos inteligentes.

Startup Fake

Para que isso se torne mais simples de entender, estarei simulando a criação de uma Startup para que algumas dúvidas sejam sanadas facilmente.

A Startup será focada em delivery, similar ao Ifood.

Reflita

Quando trabalhamos com marketplace, temos o problema da procura/oferta, em outra palavras, pessoas procurando estabelecimentos que vendem comida e estabelecimentos oferecendo seus serviços.

E não adianta simplesmente criar anúncios no Facebook ou Google para atrair clientes, no início esse esforço tem que ser braçal (não escalável).

Isso é importante para você conhecer o mercado e seus clientes. Não é apenas desenvolver a plataforma e esperar sentado, você terá que desenvolver a expertise de vendedor, que é um benefício para sua empresa em geral.

Inicialmente as empresas serão o alvo principal, pois, podemos testar alguma necessidades básicas.

Prioridades

O que é mais importante para seu produto agora? Criar um painel de avião como o desenvolvedor está acostumado a fazer, não trará benefícios para a plataforma.

Refatorar código em tempo apertado não é uma boa decisão, mudar de tecnologia é necessário ou apenas um incômodo?

Abrir a plataforma para todos acessarem ou por meio de convites? Mesmo que os passos sejam curtos, temos que levar em consideração o custo que vamos gerar caso muitas pessoas acessem ao mesmo tempo.

Aplicativo

Hoje é essencial a plataforma ter o aplicativo para atingir seu público alvo, em compensação, não teremos um aplicativo para donos de estabelecimentos com Gráficos.

Por que essa decisão?

Se levarmos em consideração que não temos nenhum cliente, também não temos dados para definir isso como prioridade e se for necessário.

No aplicativo os consumidores poderão solicitar o delivery, saber histórico de compra e favoritar os estabelecimentos.

Site

O site terá dois focos, primeiro uma landing page para atrair consumidor com links direcionados a Google PlayStore e AppleStore e outra para atrair estabelecimentos.

E segundo será a aplicação que os estabelecimentos farão a gerência dos pedidos e analisar os dados de venda, com filtros interessantes para tomada de decisão.

Se pararmos para analisar, isso é o básico de qualquer sistema focado em delivery, não existe outra possibilidade para ter ganho de estabelecimentos e consumidores.

Como monetizar?

Essa é a parte em que mais quebramos cabeça, listarei algumas que imaginei para o delivery.

30 dias de uso, depois cobrança

Podemos até encher os olhos e pensar que podemos ganhar logo de primeira com esse tipo de cobrança. Porém tem alguns riscos que devem ser evidenciados.

Vale lembrar que seu produto precisa gerar valor muito rápido e dentro desses trinta dias, para que a conversão seja Ok. E como assegurar que isso seja verdadeiro, com seu produto não tendo nenhum consumidor?

Quando criamos esse bloqueio e senso de urgência com os estabelecimentos, acabamos prejudicando os consumidores, por ter uma baixa oferta de serviços dentro da plataforma.

Vale lembrar que não asseguramos qualidade quando bloqueamos o uso, apenas afunilamos a quantidade de estabelecimento que farão parte da plataforma.

Fremium

Tanto consumidor, quanto estabelecimentos se cadastrarão gratuitamente e o uso será limitado de acordo com a estratégia.

A interação do consumidor e estabelecimento é apenas compra e confirmação da compra. Mas pensando na possibilidade de gerar mais valor para o estabelecimento, poderíamos ter a opção de promoções, para que os consumidores que favoritaram os estabelecimentos, possam receber notificações de promoções.

Dentro dessas promoções, poderíamos ter um mínimo gratuito para o estabelecimento sentir o gosto de estar cada vez mais próximo do seu consumidor e para limites maiores, a cobrança seja feita mensalmente ou alavancar a promoção na mesma forma do Facebook.

Gratuitamente o estabelecimento terá um Dashboard com gráficos para tomada de decisão, mas poderia ter um plano pago para informações mais refinadas, cadastro de colaboradores para agilizar o atendimento e outras coisas.

Franquias

Esse é uma hipótese interessante, digamos que o aplicativo chega numa rede de franquia em que diversas lojas já fazem parte do aplicativo, mas não estão integradas (visão macro do negócio). Essa possibilidade poderia ser um plano mais robusto e até caro, por ter tantas informações complexas envolvidas.

O dono da franquia terá informações para uma tomada decisão que deve impactar positivamente, tendo retorno de vendas e reclamações dos consumidores.

Conclusão

No primeiro post relatei sobre a experiência, ela ajuda em muito a não cometer erros que podem te prejudicar numa estratégia. Leia muito, converse com outras pessoas que estão executando, até concorrentes para entender o mercado e crescerem juntos.

A estratégia é um ponto chave no seu produto, então seja consciente quando suas limitações, mas arriscar é necessário para amadurecer seu produto.

Se o post foi útil, compartilhe com seus amigos.

Abraços!



SOURCE